Madeiras

 
                   5.6.1 - Origem

                   5.6.2 - Tipos de madeiras

                   5.6.3 - Instrumentos de trabalho

                   5.6.4 - Técnicas de transformação

                            5.6.4.1 - Medir

                            5.6.4.2 - Traçar

                            5.6.4.3 - Cortar

                            5.6.4.4 - Serrar

                            5.6.4.5 - Desbastar

                            5.6.4.6 - Furar

                   5.6.5 - Técnicas de ligação

                            5.6.5.1 - Junções em T pregadas, aparafusadas e com agrafos

                            5.6.5.2 - Junção em T sobreposta

                            5 .6.5.3 - Junção em envaziado

                            5.6.5.4 - Sambladura em T com caixa e espiga

                            5.6.5.5 - Outras sambladuras em T de caixa e espiga

                            5.6.5.6 - Sambladura em cauda de andorinha

                            5.6.5.7 - Junção em L

                            5.6.5.8 - Sambladura à meia-esquadria com entalhe

                            5.6.5.9 - Sambladura com espiga engasgada e com espiga simples

                            5.6.5.10 - Outros processos de executar junções à meia esquadria

                            5.6.5.11 - Sambladura de malhete em cauda de andorinha

                            5.6.5.12 - Sambladura de malhete de fora a fora em cauda de andorinha  e outra variante

                    5.6.6 - Técnicas de acabamento     

                           5.6.6.1 - Raspar

                           5.6.6.2 - Lixar

                           5.6.6.3 - Encerar

                           5.6.6.4 - Envernizar

 

 

Origem

 

A madeira foi um dos primeiros materiais a ser utilizado pelo homem, provém do tronco e dos ramos das árvores. É um excelente material de construção.

O corte do tronco é feito aproveitando o interior da árvore de forma a responder aos vários fins a  que ela se destina, tábuas, ripas ou barrotes.

Ao analisarmos o interior da árvore verificamos que é formada pelo cerne (1), borne (2) e casca (3), no centro há a medula, pequena coroa central também chamada madeira primária. No corte transversal  também verificamos os anéis de crescimento.

 

Tipos de madeira

Topo

Pinheiro

Resinosas são as árvores que possuem resina. Os frutos são em forma de cone ou pinha e geralmente a sua folhagem é persistente.

Cedro

Carvalho

Folhosas possuem folhas largas e nervosas. A sua folhagem pode ser caduca ou persistente.

Nogueira

Castanho

As principais propriedades da madeira são a cor, textura e veio.

Pinho

Cedro

Mutene

Carvalho

Contraplacado

Contraplacado é um derivado da madeira, constituído por camadas de madeira fina, sobrepostas e coladas umas às outras com os veios cruzados.

Prensado ou platex é um derivado da madeira, formado por uma mistura de cascas de árvores com cola e posteriormente prensada.

Prensado ou platex

Aglomerado

Aglomerado é um derivado da madeira,  formado por aparas de madeira e cola que são prensadas a altas temperaturas.

Folheado é um derivado da madeira, constituído por lâminas muito finas e madeira.

Folheado

 

Instrumentos de trabalho

Topo
Na aplicação das diversas técnicas de transformação da madeira, são usadas muitas ferramentas e utensílios na execução de peças e objectos.
 

Utensílios de medição e traçagem

Escala

Metro articulado

Fita métrica

Esquadro

Graminho

Suta

Compasso de pontas

Compasso de volta

 

Ferramentas de corte

Topo

Serrote de espada ou universal

Serrote de ponta

Serrote de costas

Serrote de traçar

Serrote de rodear

Serra braçal

Serrote de ferro

Serrote de cabelo ou ourives

 

Ferramentas e furar

Topo

Berbequim eléctrico

Arco de pua

Berbequim manual

Verruma

Brocas

 

Ferramentas de desbastar e alisar

Topo

Limatão triangular

Grosa

Lima bastarda

Limatão redondo

Grosa redonda

 

Limatão triangular

 

Lima paralela

Grosa quadrada

Plaina de topejar

Plaina

Guilherme

Escova para limpar limas

Formão

Bedame

Goiva

Goiva em V

 

Ferramentas de percussão

Topo

Martelo de orelhas

Martelo de pena

Maço de madeira

 

Ferramentas auxiliares

Pedra de afiar

Esmeril

Alicate universal

Alicate de pontas chatas

Alicate de pontas redondas

Chave inglesa

Alicate de pressão

Travadeira

Alicate de travar

Chave de fenda

Chave de fenda

Grampo de esquadria

Grampo simples

Chave de bocas

 

Técnicas de transformação

Topo

A medição será a primeira técnica a executar quando se realiza um trabalho em madeira. Os instrumentos de medição deverão ser usados conforme a tarefa a executar.

Traçar será marcar com rigor a madeira nas zonas a serem trabalhadas.

Recortar é efectuar um corte curvo com o auxílio de uma serra de recortes.
Cortar significa separar ou dividir a madeira pelas traçagens feitas. As ferramentas a utilizar são os serrotes.

Furar será trespassar a madeira com o auxílio de de um berbequim e de uma broca.
Desbastar e limar consiste em retirar pedaços de madeira utilizando uma plaina ou uma lima.

Pregar será unir peças de madeira através de pregos utilizando um martelo.

Topo

 

Técnicas de ligação

 

Junções em T pregadas, aparafusadas e com agrafos

Topo

Nas junções em T pregadas, ao martelar do lado exterior devem-se inclinar os pregos.

Ao martelar por dentro, deve executa-se a técnica alternadamente dos dois lados.

Dois esquadros evitam que um se dobre

Esquadros aparafusados à face da junção

As partes a agrafar devem estar bem unidas

 

Junção em T sobreposta

Topo

Na junção em T sobreposta, os parafusos devem ser introduzidos na diagonal para evitar que a madeira rache.

Na junção em T tipo prateleiras, aparafusa-se a peça de apoio à peça vertical, e seguidamente aparafusa-se a prateleira.

Observamos do lado esquerdo uma sambladura em T com entalhe. É feita à face da estrutura, permite um melhor acabamento com mais resistência.

No lado direito apresenta-se uma sambladura à meia-madeira ou de espiga com encontro. Utiliza-se em peças com a mesma espessura.

Para fazer uma sambladura à meia-madeira, marca-se a largura da travessa  transversal sobre a peça a recortar.

Faz-se um corte pelo centro da travessa transversal, deixando o traço de marcação do lado a ser cortado.

Fazem-se três cortes com o serrote de costas. Corta-se a madeira com um formão, partindo de cada um dos lados.

A sambladura depois de pronta, deverá ajustar-se facilmente. Cola-se e prega-se para ser finalizada com os acabamentos.

 

Junção com envaziado

Topo

 

Observamos do lado esquerdo uma junção com envaziado em toda a largura. Muito sólida, a peça transversal pode suportar grandes pesos.

Para trabalhos em que seja importante o aspecto exterior usa-se a junção com topo e envaziado, a sobreposição esconde o rasgo.

Coloca-se a peça transversal sobre a linha traçada na face interior da peça vertical. Traça-se outra linha do lado oposto.

Depois de serrada até atingir a profundidade pretendida, corta-se gradualmente a madeira, a partir de cada um dos cantos.

Antes de serrar e para esta se poder movimentar, abre-se uma caixa com o formão no topo do envaziado.

Para o corte ficar perfeito, usa-se uma guia de madeira.

A madeira serrada é cortada com um formão.

Serra-se a parte a eliminar na peça transversal de forma a haver um ajuste perfeito.

 

Sambladura em T com caixa e espiga

Topo

A sambladura em T com caixa e espiga é a mais resistente de todas as junções em T. Utiliza-se geralmente para estruturas pesadas e na construção de mobiliário. A espiga tem que ter um comprimento suficiente para que esta ultrapasse a largura da peça vertical.

Com o auxilio de um graminho, regula-se os seus espigões com a largura do formão.

Centra-se os espigões na peça e marca-se a largura da caixa e da espiga.

Abre-se a caixa com o auxílio do bedame, trabalhando de ambos os lados, até que os pedaços de madeira cortados caiam.

Serra-se oblíqua e alternadamente de um canto e de outro, seguindo as duas linhas da espiga.

A peça é presa ao torno e serrada depois a direito até à linha dos batentes.

Corta-se pela linha dos batentes para escapar a espiga mantendo a serra na vertical.

Com cola a espiga é colocada dentro da ranhura tendo o cuidado de colocar umas cunhas de aperto.

Depois de concluída a sambladura fica com este aspecto.

 

Outra sambladuras em T de caixa e espiga

Topo

 

Sambladura em cauda de andorinha

Topo

A sambladura em cauda de andorinha simples é uma junção resistente indicada para travessas sujeitas a esforços.

Corta-se com a serrote de costas seguindo as marcações do lado a eliminar.

Com o auxílio de um lápis risca-se o contorno exacto do recorte da cauda de andorinha.

Serra-se os batentes e faz-se um corte suplementar ao centro para facilitar o corte da madeira.

Os batentes e as faces são aparadas  par se fazer um ajuste perfeito.

 

Junções em L

Topo

As colas modernas, os parafusos e os pregos permitem a execução de junções de canto muito resistentes.

 

Sambladura à meia esquadria e com entalhes

Topo

Como serrar o rebaixo

a

Ao colar,  introduzir os pregos obliquamente

Sambladura com rebaixo e entalhe

 

Sambladura com espiga engasgada e com espiga simples

Topo

Sambladura com espiga engasgada

Sambladura em T de espiga engasgada

Sambladura com espiga múltipla

 

Quatro processos de executar junções à meia-esquadria

Topo

Modo de pregar uma junção à meia-esquadria.

Colagem com a introdução de folhas de madeira nas ranhuras.

Junção à meia-esquadria com talão postiço.

Junção à meia-esquadria com cavilhas.

 

Sambladuras de malhetes múltiplos em cauda de andorinha

Topo

Marcam-se todos os cantos.

Espaça-se uniformemente os malhetes

 

Os malhetes são mais resistentes quando utilizados nas peças laterais de gavetas, armações ou estruturas verticais.

Corta-se os malhetes com um serrote de costas, serrando pelo lado a eliminar.

Retira-se a madeira com um serrote de rodear.

Apara-se os malhetes com um formão.

Risca-se as fêmeas dos malhetes utilizando como molde os machos dos malhetes.

Serra-se pela linha das fêmeas dos malhetes, retirando a madeira com uma serra de rodear.

Depois de terminada, a  sambladura deve ajustar-se firmemente ao ser martelada. 
 

Sambladura de malhete de fora a fora em cauda de andorinha e outra variantes

Topo

Sambladura de malhete de fora a fora em cauda de andorinha. É uma junção indicada  para as frentes de gavetas e para cantos de estrutura de estantes e armários.

Sambladura de malhete escondido à meia-esquadria e em cauda de andorinha.

Sambladura de malhete escondido de pestana em cauda de andorinha.

Topo

 

Técnicas de acabamento

 
A aplicação de determinadas substâncias com a função de proteger e embelezar a madeira, são designadas por técnicas de acabamento.
 

Raspar

Raspar consiste em retirar todas as imperfeições deixadas na madeira.

 

Lixar

Lixar consiste em alisar as superfícies da madeira, de modo a restituir a sua cor e textura original. Para lixarmos uma superfície de madeira devemos usar um taco de cortiça ou de madeira. Estes tacos facilitam a aplicação da técnica e tornam a superfície da madeira mais plana.

 

Encerar

Encerar consiste em aplicar cera sobre a madeira. Com o auxílio de um pano aplica-se uma camada espessa e com um pano espalhar a cera no sentido dos veios da madeira.

Passado algum tempo, escovar a superfície encerada com uma escova macia. finalmente puxar o brilho com um pano macio no sentido do veio.

 

Envernizar

A plicação de verniz sobre a madeira é uma é uma técnica que pode ser aplicada a pincel ou com uma boneca.

Após secar deve-se lixar com uma lixa fina e tornar a dar uma passagem fional com verniz.

Topo